Supremo diz que reforçou segurança para ministro Teori Zavascki

Segurança do tribunal é composta por servidores e funcionários privados.
Grupo protestou em frente casa de ministro após decisão sobre Lula.

Da TV Globo, em Brasília

O Supremo Tribunal Federal informou nesta quarta-feira (23) que reforçou a segurança pessoal para o ministro Teori Zavascki. Houve protesto em frente à casa do ministro, em Porto Alegre, depois que ele decidiu que as investigações sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva saiam da alçada do juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância da Justiça Federal, e vá para o STF.

Um grupo de manifestantes pendurou uma faixa em frente ao prédio onde vive o ministro em Porto Alegre. "Deixa o Moro trabalhar", dizia a faixa criticando a decisão de Zavascki. A mensagem foi retirada do local durante a manhã desta quarta.

O STF informou que o reforço da segurança do ministro será feito pela área do tribunal responsável por esse serviço, composta por servidores e funcionários privados. O STF disse ainda que não pediu reforço para a Polícia Federal ou para o Gabinete de Segurança Institucional, ligado à Presidência da República. O tribunal ainda ressaltou que não confirma que tenha conhecimento de protestos realizados contra o ministro.