Curso da PMMG preparou os agentes da Polícia Judicial da JFMG

Por Leandro Caetano

No dia 18 de março, quinze agentes da Polícia Judicial da Justiça Federal de Minas Gerais receberam o certificado de conclusão do Curso de Formação de Polícia Judicial, ministrado pelos instrutores do CTP (Centro de Treinamento Policial) da Academia da Polícia Militar de Minas Gerais, durante cerimônia de encerramento realizada na sede da instituição. O evento contou com a participação dos formandos e familiares, de autoridades da Polícia Militar, dos coordenadores e instrutores do treinamento e de autoridades da Justiça Federal.

Um dos coordenadores do curso, o tenente Rafael Augusto Monteiro de Alvarenga avaliou positivamente o resultado do treinamento. "Todos eles entraram com um nível de conhecimento quando começaram o curso e estão saindo transformados, com um nível de conhecimento muito maior. Eles tiveram aula com diversos professores que têm um conhecimento específico na área de segurança pública e participaram de oficinas na própria Justiça Federal sobre controle de distúrbios, aprendendo como devem proceder em caso de manifestação", analisou.

Para o juiz federal Reginaldo Márcio Pereira, membro do Comitê Gestor do Sistema Nacional de Segurança do Poder Judiciário e da Comissão de Segurança da Justiça Federal de Minas Gerais, a formação oferecida pela Academia de Polícia Militar é fundamental para o exercício do poder de polícia judiciária.

"São homens de segurança e vão usar meios de força para prover a segurança dos juízes, servidores e da Justiça. O emprego da força e dos instrumentos de força para a segurança tem que ser dentro da técnica e da medida necessária. Se você não tem a técnica e não aprende isso com a expertise das instituições que são de segurança pública, você vai causar mais um dano do que prover a segurança", afirmou o magistrado.

A Diretora do Foro da Justiça Federal mineira, juíza federal Vânila Cardoso André de Moraes, paraninfa da turma de agentes, agradeceu à Polícia Militar pelo curso de excelência e destacou a importância do treinamento para a Justiça Federal e para o TRF6. "A Polícia Judicial é uma consequência da modernização da segurança institucional do Poder Judiciário, impulsionada pela necessidade dessa estrutura se amoldar a um novo perfil da criminalidade tratada pela Justiça. Com frequência cada vez maior tem sido registrados casos de ameaças contra magistrados e atentados contra Fórum em todo território nacional. Considerando que a segurança institucional é condição imprescindível ao cumprimento da missão do Poder Judiciário é urgente a estruturação da Polícia Judicial." A paraninfa deixou aos formandos uma mensagem final "vocês estão alcançando a oportunidade ímpar de participar da melhoria da segurança institucional do Poder Judiciário, de desenvolver novos subsídios ao suporte colaborativo e à inteligência neste peculiar momento histórico".

O Comandante da Academia de Polícia Militar, o coronel Eugênio Pascoal da Cunha Valadares, em seu pronunciamento durante a cerimônia de encerramento, analisou a relevância das disciplinas oferecidas pelo curso e sua adequação às atividades exercidas pelos agentes da Polícia Judiciária. "Eles puderam aprender, também, atributos e os valores da nossa corporação, que nós cultuamos, e que são decisivos nessa grande missão a partir de agora", afirmou.

Segundo o supervisor da SEVIT (Seção de Segurança, Vigilância e Transporte) Jamilton Antônio Bitencourt Guedes, "o curso foi de grande importância para os Agentes da Polícia Judicial, que foram instruídos por profissionais extremamente capacitados nas áreas de Inteligência e operações especiais - BOPE e Choque. Acredito que o curso será um divisor de águas para a segurança Institucional da Justiça Federal, uma vez que capacitou os Agentes da Polícia Judicial para uma correta atuação face as novas atribuições abarcadas pelos normativos do CNJ e CJF".

O curso

Iniciado no dia 7 de fevereiro, o curso é um desdobramento do projeto da CEPOI (Central de Policiamento Institucional), iniciado em 2021, durante oficina realizada no IluMinas (Laboratório de Inovação da Justiça Federal mineira). Na ocasião, a iniciativa foi apresentada aos magistrados como um ganho estratégico para a Seção Judiciária, uma vez que possibilitará ações internas de inteligência e contra inteligência.

Foram 190 horas de carga horária, distribuídas em aulas presenciais realizada de manhã e à tarde. Foram oferecidas disciplinas teóricas e práticas sobre armamento e tiro; instrumentos de menor potencial ofensivo; medidas de autoproteção; pronto-socorrismo e atendimento pré-hospitalar; noções básicas de comunicações operacionais e noções básicas de proteção institucional, entre outras.

O juiz federal Reginaldo Márcio Pereira ministrou a aula inaugural do curso de formação.

Fonte: JFMG